Home Page Photo

A Broca Literária

Arquivos

06-10-2011
Gurus de Terno por Luiz Mendes Junior
Um Filme além das Chinelas: A Batalha do Estreito de Hormuz por Jim Chaffee
11-01-2010
Num Beco Imundo com um MagnaCord por Marcello Trigo
Sobre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário por Giovani Iemini
08-01-2010
Porrada por Luiz Mendes Junior
Sinistro! por Frodo Oliveira
Silvia, a Cachorra por Carlos Cruz
05-01-2010
Teófilo Veríssimo – Esfinge por Beto Garcia
Dom Casmurro 26 por Allan Pitz
12-01-2009
Os Sopradores de Nuvens por Beto Garcia
Sinfonia 1: Roger Castleman por John Grochalski
Novo Acordo Ortográfico por Pedro Silva
09-01-2009
O Rolê por André Catuaba
Sushi por Liliane Reis
06-01-2009
Deliriuns Janas por Luiz Filho
A Cagada Final por Márcia Tondello
Sou Corno mas Sou Foda por Victor Borba
Carmen Miranda e Wittgenstein por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
05-01-2009
Cabeça de Hugo: um Romance de Idéias e o Personagem Neocon por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
No Metrô por Márcia Tondello
Uma Alucinante Viagem ao Submundo dos Transportes Públicos Cariocas por Felipe Attie
04-01-2009
Inquilinos na Embaixada do Céu por Luiz Mendes Junior
Bernardo, Cartas da Imprecisão e do Delírio por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
A Cabeça e a Bunda por Danielle Souza
03-01-2009
Raimunda por Carlos Cruz
Pequeno Concerto para Ver no Celular e Escutar no Ifone por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
O Fardo por Marcello Trigo
01-15-2009
O Expurgador 999 por Allan Pitz
A Intervenção por Roberto Afonso
12-15-2008
Rogério por Eduardo Frota
Míssil por Jason Jordan
11-15-2008
O Infante por Liliane Reis
Oxumaré por Alexandre D´Assumpção
10-15-2008
Eurípedes Crotho, um Escroque por Allan Pitz
Uma Macumba no Brasil por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
Uma Análise do Filme Tempo de Guerra (1963) por Rafael Issa
09-15-2008
Três Belas por Juliano Guerra
Feijoada do Repete por Priscila Biancovilli
A Menina que Fazia Chover por Frodo Oliveira
08-15-2008
Rotina por Felipe de Oliveira
Space Bar por Carlos Cruz
Sobrevivência por Priscila Biancovilli
A Religião como Ilusão no Pensamento por Rafael Issa
Anonimato em Crise por Luiz Mendes Junior
07-15-2008
A Vida é uma Porra com Juros por Luiz Filho
A Noite das Sanguessugas por Jim Chaffee
Cicatrizes Urbanas, Massa de Gente e de Luz por Thomas R. P. de Oliveira
06-01-2008
Um Pedido a Carlos Cruz por Juliano Guerra
Komodo por Eduardo Frota
Em Nome da Fome por Zé Ignacio Mendes
O Engarrafado por Roberto Afonso
05-01-2008
Sete por Marcello Trigo
E agora, Jaime? por Luiz Mendes Junior
02-15-2008
Canção de Ninar por Liliane Reis
Vender é preciso por Dani Nedal
01-15-2008
Ensaio fotográfico: Banho coletivo por Jim Chaffee
Lua Vermelha por Liliane Reis
Manequim por Eduardo Frota
Um Pulo para o Amor por Gilberto Griesbach Junior
12-01-2007
Mensagem de Natal do Diretor Executivo por Sonia Ramos Rossi
Reflexo por Patricia Azeredo
Esdruxulidades por Priscila Biancovilli
A Ordem Natural das Coisas por Eduardo Frota
11-01-2007
O Assassino de Três Corações por Alexandre D´Assumpção
Aconteceu Num Dia Quente de Verão por Luiz Mendes Junior
Senhora Lia por Natalia Emery Trindade
Tropa de Elite: A Alienação Como Origem da Violência por Rafael Issa
02-01-06
A Boneca de Natalia Emery Trindade
Broca arquivo completo
Side Photo for Broca Literaria

A Intervenção

por Roberto Afonso

carriça perigoso

Daniel Mercante admirava o sol, um imenso círculo alaranjado na linha do horizonte que lançava seus últimos raios em batalha contra a noite. Observou as três velas infladas da nau, concluindo que estava bem servido de vento, o que possibilitava à caravela um deslocamento contínuo e sereno. O mar, por sua vez, colaborava sossegado.

Daniel acreditava que teriam uma noite sem sobressaltos, com direito a um bom sono.

– Senhor Mercante.

Daniel se virou e viu o jovem tenente Coimbra.

– Pois não.

– O capitão pergunta se o senhor gostaria de jantar com ele.

– Tenente, agradeça ao capitão, mas vou cear em minha cabine e descansar, ou melhor, tentar dormir cedo. Com certeza, ao amanhecer, chegaremos ao porto de Marselha. Sei que terei um dia muito corrido com minha audiência com o Rei. Você sabe, tenente, como é cansativo um dia na corte.

– Nem precisa dizer, Senhor. Tenha um bom descanso.

– Obrigado, tenente.

Daniel observava Coimbra enquanto este se afastava. Era um jovem de 23 anos formado pela Real Academia, preparado para a guerra, e que, com muita sorte, poderia atingir os trinta.

Ao dirigir-se à sua cabine, parou ao lado de um dos canhões que pertencia a uma fileira de doze, onde leu na culatra: Fabricado em 1690. Passou a mão sobre a peça e percebeu que ela tinha pequenas deformações devido a seus dez anos de uso. Talvez durasse mais cinco, caso a nau não viesse a pique em conflitos futuros.

Daniel entrou na cabine, desembainhou sua espada e pendurou-a num suporte. Retirou a pistola que escondia sob o casaco e examinou-a demoradamente. Era uma Mauser automática. Balançou a cabeça com desdém e a depositou sobre uma pequena mesa ao lado da cama. Pela vigia, podia vislumbrar parte da lateral da nau com seus canhões e um marinheiro de sentinela na proa, armado com espada. Sentou-se na cama e, olhando para a arma automática sobre a mesa, desabafou:

– Isso é muito para minha cabeça, narrador. Posso fazer um comentário?

???

Daniel repetiu:

– Narrador, posso fazer um comentário?

Pode.

– Pelo que vi até agora, presumo que vim do futuro, ou seja, sou um viajante do tempo. O ano em que me encontro é 1700. Aliás, para ser mais exato, hoje é 23 de janeiro de 1700, e, antes que pergunte algo, o motivo de minha dedução é óbvio. O que pode ser um cara portando uma arma automática em janeiro de 1700, senão um viajante do tempo, certo?

Certíssimo.

– Só para concluir meu raciocínio: com certeza vim do futuro para corrigir algo que interferirá neste futuro, certo?

Correto. É isso mesmo.

carriça perigoso

– Desculpe-me, mas é tudo tão previsível, sabe, narrador? Como você, também pertenço a um mundo, o mundo dos personagens. Sempre que um conto ou romance começa a ser escrito, aleatoriamente somos convocados, e cá estou. Só que... me desculpe, mas esse tema está batido demais. Serei sincero. Não pega bem pra mim, que já tive a honra de participar de verdadeiras pérolas da literatura.

Mas...

– Não me leve a mal, mas neste contexto em que tenho uma arma inconsistente com a época, ainda considerando a arma, eu poderia ser tudo, menos um viajante do tempo. Como já disse, viajante do tempo, modificar o passado, é um tema batido demais.

Mas o tenente Coimbra não reclamou.

– Ora essa! Ele não reclamou porque é um personagem periférico. Aliás, pelo andar da carruagem, já até foi liberado, mas, ao que tudo indica, eu sou o personagem principal e terei de agüentar até o fim. Se for um conto, tudo bem, mas e se for um romance de quatrocentas páginas? Juro que não agüento.

É. De fato, estou pensando em um romance bem longo.

– Me poupe!

Mas eu gosto de escrever...

– Entendo. Se até o Saulo Lebre escreveu uma penca de livros...

Puxa! Você já foi personagem dele?

– Eu? Deus me livre! Vire essa boca pra lá! Por todos os pecados que já cometi na literatura, não mereceria um castigo desses. Santiago que o diga.

Por que? Aconteceu algo a ele?

– Se aconteceu? Nem te conto. Coitado... O papel dele no livro do, bem... não preciso dizer o nome, você já sabe quem é, foi tão marcante que ele mal consegue se desvincular do personagem que viveu, e quando convocado aleatoriamente por um autor ou autora, os mesmos acabam empacando na escrita, porque ele é incapaz de vestir a camisa do personagem idealizado pelo escritor. O Santiago sempre aflora no meio do processo. Aí, já viu. Não tem autor que agüente.

É

– E digo mais. Ele é o único personagem em meu mundo que precisou ser internado numa clínica de recuperação e não tem data prevista de alta.

Sei não. Se tivesse sido sorteado para mim, desconfio que neste momento ele já estaria na audiência com o rei da França. Nós, no entanto, continuamos em alto mar. Acho que o problemático aqui é você.

– Ei! Calminha! Vamos negociar! A hipótese de eu ser um cara que veio do futuro está descartada, certo? Pense em algo mais grandioso. Olha que eu mereço, hein?

Pode ser. O título que coloquei foi A INTERVENÇÃO, e foi exatamente o que você fez desde inicio do conto. Ah, está contente agora? Foi isso mesmo que você ouviu: CONTO. Portanto, a intervenção aconteceu e não há mais nada para ser escrito. Certo?

carriça perigoso

© roberto afonso