Home Page Photo

A Broca Literária

Arquivos

06-10-2011
Gurus de Terno por Luiz Mendes Junior
Um Filme além das Chinelas: A Batalha do Estreito de Hormuz por Jim Chaffee
11-01-2010
Num Beco Imundo com um MagnaCord por Marcello Trigo
Sobre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário por Giovani Iemini
08-01-2010
Porrada por Luiz Mendes Junior
Sinistro! por Frodo Oliveira
Silvia, a Cachorra por Carlos Cruz
05-01-2010
Teófilo Veríssimo – Esfinge por Beto Garcia
Dom Casmurro 26 por Allan Pitz
12-01-2009
Os Sopradores de Nuvens por Beto Garcia
Sinfonia 1: Roger Castleman por John Grochalski
Novo Acordo Ortográfico por Pedro Silva
09-01-2009
O Rolê por André Catuaba
Sushi por Liliane Reis
06-01-2009
Deliriuns Janas por Luiz Filho
A Cagada Final por Márcia Tondello
Sou Corno mas Sou Foda por Victor Borba
Carmen Miranda e Wittgenstein por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
05-01-2009
Cabeça de Hugo: um Romance de Idéias e o Personagem Neocon por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
No Metrô por Márcia Tondello
Uma Alucinante Viagem ao Submundo dos Transportes Públicos Cariocas por Felipe Attie
04-01-2009
Inquilinos na Embaixada do Céu por Luiz Mendes Junior
Bernardo, Cartas da Imprecisão e do Delírio por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
A Cabeça e a Bunda por Danielle Souza
03-01-2009
Raimunda por Carlos Cruz
Pequeno Concerto para Ver no Celular e Escutar no Ifone por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
O Fardo por Marcello Trigo
01-15-2009
O Expurgador 999 por Allan Pitz
A Intervenção por Roberto Afonso
12-15-2008
Rogério por Eduardo Frota
Míssil por Jason Jordan
11-15-2008
O Infante por Liliane Reis
Oxumaré por Alexandre D´Assumpção
10-15-2008
Eurípedes Crotho, um Escroque por Allan Pitz
Uma Macumba no Brasil por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
Uma Análise do Filme Tempo de Guerra (1963) por Rafael Issa
09-15-2008
Três Belas por Juliano Guerra
Feijoada do Repete por Priscila Biancovilli
A Menina que Fazia Chover por Frodo Oliveira
08-15-2008
Rotina por Felipe de Oliveira
Space Bar por Carlos Cruz
Sobrevivência por Priscila Biancovilli
A Religião como Ilusão no Pensamento por Rafael Issa
Anonimato em Crise por Luiz Mendes Junior
07-15-2008
A Vida é uma Porra com Juros por Luiz Filho
A Noite das Sanguessugas por Jim Chaffee
Cicatrizes Urbanas, Massa de Gente e de Luz por Thomas R. P. de Oliveira
06-01-2008
Um Pedido a Carlos Cruz por Juliano Guerra
Komodo por Eduardo Frota
Em Nome da Fome por Zé Ignacio Mendes
O Engarrafado por Roberto Afonso
05-01-2008
Sete por Marcello Trigo
E agora, Jaime? por Luiz Mendes Junior
02-15-2008
Canção de Ninar por Liliane Reis
Vender é preciso por Dani Nedal
01-15-2008
Ensaio fotográfico: Banho coletivo por Jim Chaffee
Lua Vermelha por Liliane Reis
Manequim por Eduardo Frota
Um Pulo para o Amor por Gilberto Griesbach Junior
12-01-2007
Mensagem de Natal do Diretor Executivo por Sonia Ramos Rossi
Reflexo por Patricia Azeredo
Esdruxulidades por Priscila Biancovilli
A Ordem Natural das Coisas por Eduardo Frota
11-01-2007
O Assassino de Três Corações por Alexandre D´Assumpção
Aconteceu Num Dia Quente de Verão por Luiz Mendes Junior
Senhora Lia por Natalia Emery Trindade
Tropa de Elite: A Alienação Como Origem da Violência por Rafael Issa
02-01-06
A Boneca de Natalia Emery Trindade
Broca arquivo completo
Side Photo for Broca Literaria

Eurípedes Crotho, um Escroque

por Allan Pitz

buddha em portal

E na curva fulcral do seu destino fecal, o jovem e recém formado advogado, Eurípides Crotho, descobriu sua mina de ouro particular.

Ao procurar por estágio naquele Julho de 1986, o rapaz endividado jamais imaginaria conhecer o Vôzinho Zaluar, antigo missionário que após pregar por metade do Brasil, havia conseguido somar uma quantia razoavelmente segura; a ponto de o Religioso abrir uma pequena empresa de orações no subúrbio do Rio de Janeiro. O pregador precisaria antes mesmo de fé ou orações, segundo o próprio, de um advogado jovem, sangue novo, com muita disposição, fôlego e vontade de enriquecer. Zaluar achou sua ovelha neta perfeita. E veio com ar condicionado interno, cinco quilos de Gomex, e uma cara de pau que, geraria excitação num vidrinho de óleo de peroba!

A missão de Eurípides era bem simples: Ele só teria de legalizar os imóveis; tais como terrenos, casas, apartamentos, prédios comerciais, e tudo mais que possivelmente viria a receber Zaluar como doação dos fiéis. Incluso todas as funções convencionais que cabem a um advogado. Entretanto, vendo a quantidade de recursos que começaram a pipocar nas mãos do Vôzinho Zaluar, o jovem “Gavião” acreditou poder ser mais do que um mero carimbador da legalidade. Veio na máxima cretina de que a fé não remove só montanhas; passou a vasculhar entre os idosos que perambulavam pela capela, doadores em potencial; se esquecidos pelos parentes, ainda melhor. Quanto vale a certeza de ir para um suposto paraíso, após 85 anos de vida Terrena??! Uma chuva de casinhas humildes... Os poucos, porém valiosos, vestígios de vida de uns pobres pés na cova. Foram na glória... Pra glória de alguém?!

Em seis anos, o centro de orações do missionário Vôzinho Zaluar, já era uma das maiores seitas do país, com ramificações em toda a parte, e sem dúvida, muito desse sucesso se devia ao faro e a competência de seu advogado, amigo, e braço direito. O homem foi capaz de convencer umas duas mil pessoas a doarem seus bens para o vozinho e suas obras de caridade, chamavam por vezes Eurípides Crotho de Anjinho... – Eu fiz um cafezinho, hoje o anjinho do seu Zaluar vem aqui em casa conversar comigo. Esse é um homem abençoado! A dupla juntou muito mais do que poderia supor quando tudo começou. O missionário sempre pensava no que teria acontecido se os dois tivessem se encontrado antes, se Eurípides fosse um pouco mais velho... Ah! O mundo seria pequeno!

Vôzinho Zaluar morreu diante dos seus fiéis, expulsando o demônio gay de um pugilista Húngaro peso pesado, em 19 de Novembro de 1992, vítima de uma parada cardíaca. Em meio ao ápice de sua empreitada “Religio-Monetária”, a pomba anunciadora enfeitou o céu de branco. E entre os raios de sol pude ver uma nota de cem.

O irmãozinho Edney Assumiu o trono e continuou o sucesso da seita. Já vista como nova vertente religiosa do país. E como fora adestrado a fazer, seguiu com extrema continuidade toda a “obra” do mentor e líder. Mas para Eurípides as coisas já não estavam como antes. No começo ele nem ligou pra morte do velho Zaluar; aos 87 anos, era de se esperar que aquele estardalhaço no palco da capela fosse matá-lo. Sem comentar os sarapatéis, carurús, acarajés, e outros quitutes de uma antiga seguidora baiana que, vinham entupindo suas artérias desde uma pregação em Feira de Santana. No fim comia às escondidas. A baiana também.

Estavam sentados numa gigantesca mesa Monárquica, Eurípides Crotho e Vôzinho Zaluar, e nunca nenhum dos dois, apesar de nadando em dinheiro, havia visto tamanha quantidade e diversidade de comida como esbaldava o cenário. Vontade de provar tudo ao mesmo tempo; os temperos mais maravilhosos que a língua podia lançar aos neurônios! O Advogado começou então a comer freneticamente, porém, percebeu que o Vôzinho não tinha os braços, e tentava comer pondo a face de encontro às bandejas que como por manipulação maligna lhe fugiam ao toque da boca, e fraturavam-lhe o nariz em movimentos rápidos e não humanos. De tão chocado, Eurípides nada conseguiu fazer, a não ser pedir para que o velho parasse de pôr a cara nas bandejas, mas o tosco encarnado, vidrado, já não lhe ouvia, assim como parecia não se importar com o sangue nos canapés. A gula. A gula do velho não tinha limites, não importavam as fraturas medíocres, o comer cicatrizaria.

Mas qual a surpresa de Eurípides? Se não tivesse os braços, diante de tal banquete, também não hesitaria em comer pondo a face no prato. É a lei da sobrevivência. Mas continuaria fraturando o rosto daquela forma?! Sim, pela gula. Depois de muito implorar ao velho Zaluar para que parasse de protagonizar a cena macabra, este parou de lançar-se aos pratos, mas pediu que ele fizesse o mesmo, e deixasse que seus fiéis comessem todo o resto, antes da putrefação do banquete. Este foi o primeiro sonho acordado de uma série que acompanharia até o fim da vida, o Esquizofrênico advogado Eurípides Crotho.

Os visíveis problemas neurológicos foram afastando o advogado do tão estimado trabalho, e o Irmãozinho Edney não se fez de rogado, arrumando outro jovem advogado sedento por enriquecer, pronto para qualquer trabalho... O escroque já possuía um indescritível império imobiliário, para gastar pensamentos com os ares de conquista territorial do frangote audacioso. Abandonou o lugar que lhe deu fortuna e prestígio, sem olhar para trás. Mas era impossível não esbarrar com Irmãozinho Edney pelos canais de TV.

Enquanto caminhava pelos arredores de sua chácara em Petrópolis, Eurípides Crotho desesperou-se com a situação na qual se viu: Um carro Corcel I parou bem ao seu lado, e de dentro do calhambeque saltaram dois enormes homens com trajes indianos típicos, trazendo nas mãos incensos com forte cheiro de enxofre, enfumaçando tudo ao redor de vermelho. Impossibilitado telepaticamente de emitir sons ou se mover, o escroque ainda permaneceu ali durante horas de agonia, recebendo de figuras cadavéricas terrivelmente sofridas e cinzentas, sucessivas chaves banhadas de ouro. Uma legião de pessoas saiu de dentro do carro como por mágica; assim procedeu a entrega das duas mil e duzentas chaves de ouro ao louco estático; encontrado no mesmo lugar dias depois.

Atualmente, a família do escroque louco administra seus bens com muito gosto. E do sanatório onde está internado, ele relata ser surrado diariamente por almas portadoras de chaves cortantes, e privado de comer para não sangrar o rosto do Vôzinho Zaluar. O que mais se pode tirar disso tudo?! Perguntaremos ao homem dos imóveis, e das falsas riquezas espirituais... Entretanto, ele só poderá nos conceder uma fratura como resposta.

© Allan Pitz 2008