Home Page Photo

A Broca Literária

Arquivos

06-10-2011
Gurus de Terno por Luiz Mendes Junior
Um Filme além das Chinelas: A Batalha do Estreito de Hormuz por Jim Chaffee
11-01-2010
Num Beco Imundo com um MagnaCord por Marcello Trigo
Sobre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário por Giovani Iemini
08-01-2010
Porrada por Luiz Mendes Junior
Sinistro! por Frodo Oliveira
Silvia, a Cachorra por Carlos Cruz
05-01-2010
Teófilo Veríssimo – Esfinge por Beto Garcia
Dom Casmurro 26 por Allan Pitz
12-01-2009
Os Sopradores de Nuvens por Beto Garcia
Sinfonia 1: Roger Castleman por John Grochalski
Novo Acordo Ortográfico por Pedro Silva
09-01-2009
O Rolê por André Catuaba
Sushi por Liliane Reis
06-01-2009
Deliriuns Janas por Luiz Filho
A Cagada Final por Márcia Tondello
Sou Corno mas Sou Foda por Victor Borba
Carmen Miranda e Wittgenstein por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
05-01-2009
Cabeça de Hugo: um Romance de Idéias e o Personagem Neocon por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
No Metrô por Márcia Tondello
Uma Alucinante Viagem ao Submundo dos Transportes Públicos Cariocas por Felipe Attie
04-01-2009
Inquilinos na Embaixada do Céu por Luiz Mendes Junior
Bernardo, Cartas da Imprecisão e do Delírio por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
A Cabeça e a Bunda por Danielle Souza
03-01-2009
Raimunda por Carlos Cruz
Pequeno Concerto para Ver no Celular e Escutar no Ifone por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
O Fardo por Marcello Trigo
01-15-2009
O Expurgador 999 por Allan Pitz
A Intervenção por Roberto Afonso
12-15-2008
Rogério por Eduardo Frota
Míssil por Jason Jordan
11-15-2008
O Infante por Liliane Reis
Oxumaré por Alexandre D´Assumpção
10-15-2008
Eurípedes Crotho, um Escroque por Allan Pitz
Uma Macumba no Brasil por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
Uma Análise do Filme Tempo de Guerra (1963) por Rafael Issa
09-15-2008
Três Belas por Juliano Guerra
Feijoada do Repete por Priscila Biancovilli
A Menina que Fazia Chover por Frodo Oliveira
08-15-2008
Rotina por Felipe de Oliveira
Space Bar por Carlos Cruz
Sobrevivência por Priscila Biancovilli
A Religião como Ilusão no Pensamento por Rafael Issa
Anonimato em Crise por Luiz Mendes Junior
07-15-2008
A Vida é uma Porra com Juros por Luiz Filho
A Noite das Sanguessugas por Jim Chaffee
Cicatrizes Urbanas, Massa de Gente e de Luz por Thomas R. P. de Oliveira
06-01-2008
Um Pedido a Carlos Cruz por Juliano Guerra
Komodo por Eduardo Frota
Em Nome da Fome por Zé Ignacio Mendes
O Engarrafado por Roberto Afonso
05-01-2008
Sete por Marcello Trigo
E agora, Jaime? por Luiz Mendes Junior
02-15-2008
Canção de Ninar por Liliane Reis
Vender é preciso por Dani Nedal
01-15-2008
Ensaio fotográfico: Banho coletivo por Jim Chaffee
Lua Vermelha por Liliane Reis
Manequim por Eduardo Frota
Um Pulo para o Amor por Gilberto Griesbach Junior
12-01-2007
Mensagem de Natal do Diretor Executivo por Sonia Ramos Rossi
Reflexo por Patricia Azeredo
Esdruxulidades por Priscila Biancovilli
A Ordem Natural das Coisas por Eduardo Frota
11-01-2007
O Assassino de Três Corações por Alexandre D´Assumpção
Aconteceu Num Dia Quente de Verão por Luiz Mendes Junior
Senhora Lia por Natalia Emery Trindade
Tropa de Elite: A Alienação Como Origem da Violência por Rafael Issa
02-01-06
A Boneca de Natalia Emery Trindade
Broca arquivo completo
Side Photo for Broca Literaria

Sobrevivência

por Priscila Biancovilli

Quando resolvo abandonar o esconderijo em direção à luz tão funesta e bela, demasiado humana, já contemplo meu destino. Sigo-o pelas trilhas habituais há tantos milhões de anos traçada, sem medo. Não tenho sentimentos, e tampouco entendo a necessidade destas nulidades biológicas tão complexas, devem ser intervenções de algum anjo torto, rabiscadas quando Deus se distraía com assuntos importantes. Sem floreios, apenas me faço professar um destino barato.

Saio da fenda escura preparada. Minhas antenas longas olfatam qualquer resquício de alimento que um dia já foi deixado para trás. Meus palpos, ao contrário do que muitos pensam, têm um paladar bastante rigoroso. Engulo apenas o que não passou da data de validade. As asas e os cercis me salvam do predador. Quando ele se aproxima, percebo a brisa mínima de seus movimentos, e então aciono as patas com agilidade, ou vôo em direção a seu nariz. Não há neste mundo humano bravo o suficiente que resista a uma voada no nariz.

O lugar parece vazio. Aqui, posso explorar de tudo à vontade. É fácil ser urbana e alcançar o oásis da sobrevivência a menos de dez patadas. Por isso estamos ficando gordas e sedentárias. Mesmo que eles jamais assumam, nós e os humanos somos parte de uma mesma teia; amigos numa coexistência eternamente bem sucedida. Tenho companheiras ao meu lado que hoje exploram pela primeira vez os detritos de felicidade. São jovens botõezinhos ainda sem asas, mas ágeis o suficiente para encontrar um esconderijo seguro até que a ameaça se dê por vencida. Então, elas retornam à vida predatória urbana: um achado. Eu, do alto de meus 150 dias, sustentados por estas patas errantes, tenho maturidade para entregar-me com resiliência ao dia da morte.

Sinto um movimento dos cercis. Um humano de baixa estatura caminha para mais e mais perto. Ouço um grito seco, estridente. Em poucos segundos, humanos maiores se aproximam, mas são lentos demais para a nossa agilidade. Todas já estamos protegidas em lugares absolutamente inalcançáveis, dada a flexibilidade invejável de nossa carcaça. Alguns minutos, algumas buscas, e em pouco tempo retorna a calmaria. Saímos.

Um pressentimento ruim se esfumaça sobre minha cabeça. Nada posso fazer, além de respeitar o determinismo escrito nos meus genes. Volto à caça sem medo, apenas preparada para fugir dos riscos. Quero orgulhar o grupo que lidero. Quero servir de exemplo a todas que já temeram quaisquer ameaças. Não temam. Colecionamos vitórias há quase 500 milhões de anos. Somos invencíveis.

Sinto novamente uma presença humana. Desta vez, porém, ela não surge acompanhada de gritos. Ela é sorrateira, traiçoeira, mórbida. Percebo sua presença e tento escapar, mas, antes que encontre uma fenda próxima o suficiente, recebo um jato líquido e me despojo de toda a agilidade. Olho ao redor e percebo que os botõezinhos, no ápice da juventude, conseguiram escapar com sucesso. Quando o homem torna a silenciar, revolvo-me num esforço de sobrevivência e movo minhas patas em direção a um azulejo entortado. Recebo outro jato de líquido assassino e perco o controle sobre as patas, as antenas e os cercis. Apelo com desespero para as asas, mas elas não colaboram comigo. Todo meu corpo transformou-se numa matéria espasmódica. Sinto dor.

O homem olha com alívio para as patas levantadas e o ambiente silencia. Penso nos meus 150 dias de vida bem vividos, e nas companheiras que agora seguem seus instintos. Não haverá despedidas. Segui com bravura o destino reforçado por cada parte de mim. O que os humanos não sabem, tolos como são, é que guardo descendentes imunes a estes brinquedinhos mortais. Tenho dentro de mim quarenta crianças, que em poucos dias se tornarão a minha imagem e semelhança. A vitória, amigos, não vem assim tão fácil. O fim é apenas o começo.

heirloom melon d'algiers

© Priscila Biancovilli 2008