Home Page Photo

A Broca Literária

Arquivos

06-10-2011
Gurus de Terno por Luiz Mendes Junior
Um Filme além das Chinelas: A Batalha do Estreito de Hormuz por Jim Chaffee
11-01-2010
Num Beco Imundo com um MagnaCord por Marcello Trigo
Sobre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário por Giovani Iemini
08-01-2010
Porrada por Luiz Mendes Junior
Sinistro! por Frodo Oliveira
Silvia, a Cachorra por Carlos Cruz
05-01-2010
Teófilo Veríssimo – Esfinge por Beto Garcia
Dom Casmurro 26 por Allan Pitz
12-01-2009
Os Sopradores de Nuvens por Beto Garcia
Sinfonia 1: Roger Castleman por John Grochalski
Novo Acordo Ortográfico por Pedro Silva
09-01-2009
O Rolê por André Catuaba
Sushi por Liliane Reis
06-01-2009
Deliriuns Janas por Luiz Filho
A Cagada Final por Márcia Tondello
Sou Corno mas Sou Foda por Victor Borba
Carmen Miranda e Wittgenstein por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
05-01-2009
Cabeça de Hugo: um Romance de Idéias e o Personagem Neocon por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
No Metrô por Márcia Tondello
Uma Alucinante Viagem ao Submundo dos Transportes Públicos Cariocas por Felipe Attie
04-01-2009
Inquilinos na Embaixada do Céu por Luiz Mendes Junior
Bernardo, Cartas da Imprecisão e do Delírio por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
A Cabeça e a Bunda por Danielle Souza
03-01-2009
Raimunda por Carlos Cruz
Pequeno Concerto para Ver no Celular e Escutar no Ifone por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
O Fardo por Marcello Trigo
01-15-2009
O Expurgador 999 por Allan Pitz
A Intervenção por Roberto Afonso
12-15-2008
Rogério por Eduardo Frota
Míssil por Jason Jordan
11-15-2008
O Infante por Liliane Reis
Oxumaré por Alexandre D´Assumpção
10-15-2008
Eurípedes Crotho, um Escroque por Allan Pitz
Uma Macumba no Brasil por Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior
Uma Análise do Filme Tempo de Guerra (1963) por Rafael Issa
09-15-2008
Três Belas por Juliano Guerra
Feijoada do Repete por Priscila Biancovilli
A Menina que Fazia Chover por Frodo Oliveira
08-15-2008
Rotina por Felipe de Oliveira
Space Bar por Carlos Cruz
Sobrevivência por Priscila Biancovilli
A Religião como Ilusão no Pensamento por Rafael Issa
Anonimato em Crise por Luiz Mendes Junior
07-15-2008
A Vida é uma Porra com Juros por Luiz Filho
A Noite das Sanguessugas por Jim Chaffee
Cicatrizes Urbanas, Massa de Gente e de Luz por Thomas R. P. de Oliveira
06-01-2008
Um Pedido a Carlos Cruz por Juliano Guerra
Komodo por Eduardo Frota
Em Nome da Fome por Zé Ignacio Mendes
O Engarrafado por Roberto Afonso
05-01-2008
Sete por Marcello Trigo
E agora, Jaime? por Luiz Mendes Junior
02-15-2008
Canção de Ninar por Liliane Reis
Vender é preciso por Dani Nedal
01-15-2008
Ensaio fotográfico: Banho coletivo por Jim Chaffee
Lua Vermelha por Liliane Reis
Manequim por Eduardo Frota
Um Pulo para o Amor por Gilberto Griesbach Junior
12-01-2007
Mensagem de Natal do Diretor Executivo por Sonia Ramos Rossi
Reflexo por Patricia Azeredo
Esdruxulidades por Priscila Biancovilli
A Ordem Natural das Coisas por Eduardo Frota
11-01-2007
O Assassino de Três Corações por Alexandre D´Assumpção
Aconteceu Num Dia Quente de Verão por Luiz Mendes Junior
Senhora Lia por Natalia Emery Trindade
Tropa de Elite: A Alienação Como Origem da Violência por Rafael Issa
02-01-06
A Boneca de Natalia Emery Trindade
Broca arquivo completo
Side Photo for Broca Literaria

Vender é preciso

por Daniel Nedal

Texas lizard

O governo Bush tem tentado avidamente impedir a busca iraniana por armas nucleares, lutando por sanções via Conselho de Segurança, pressionando por inspeções internacionais, etc.; neste jogo viu-se de tudo exceto uma declaração de guerra (mas chegou-se bem perto disso). Quando então, do nada, veio a última Estimativa de Inteligência Nacional (National Intelligence Estimate, ou NIE) sobre o programa nuclear iraniano, que afirma com “alto grau de confiabilidade” que tal programa se encontra suspenso desde 2003. Muitos foram rápidos em apontar para o supostamente óbvio: como o relatório arruinava o caso norte-americano contra o Irã. No entanto, elaborado com outro propósito, o NIE de novembro de 2007 (divulgado em dezembro) NÃO É um ataque definitivo à política de Bush vis-à-vis o Irã; pode funcionar tanto contra quanto a favor desta. Depende apenas da habilidade do governo em “vender” sua interpretação do relatório.

Em primeiro lugar, olhemos por um segundo para o histórico dos NIEs e ponderemos sobre quão confiáveis estes são, e portanto quanto peso devemos dar ao relatório sobre o Irã. Podemos identificar alguns NIEs com algumas das mais graves falhas de percepção e subseqüentes erros de condução de política externa durante a Guerra Fria e além. Avaliações de inteligência equivocadas levaram nos Estados Unidos à percepção de um “bomber gap” favorecendo a URSS no final dos anos 50 e de um “missile gap” nos anos 60, que ajudaram a reaquecer as tensões entre as superpotências. NIEs confirmavam as bravatas de Khrushchev sobre a iminência da vitória soviética nas corridas econômica e armamentista, enquanto a economia soviética já começava a apresentar sinais de desgaste. NIEs posteriores vieram a desmenti-los, mas apenas quando a realidade já se tornara suficientemente clara para qualquer observador. Mais recentemente, NIEs foram divulgados apoiando e depois invalidando acusações sobre armas de destruição em massa iraquianas, ligações da Al Qaeda com Saddam Hussein e, é claro, o programa nuclear iraniano. Isto posto, o melhor a ser dito de tais estimativas de inteligência é que estão certas 50% das vezes. O pior a ser dito é que são tão enviesadas quanto qualquer outro documento oficial, servindo um objetivo político determinado; são tanto causa da política quanto uma conseqüência desta, se não menos.

O NIE em questão não poderia ser diferente. Não deve ser considerado um fator capaz de causar alteração em diretivas de política externa, mas um resultado de mudanças já ocorridas, que tornaram possível - e necessário - para o governo americano aliviar a pressão sobre o Irã. Algumas das mais importantes são: o agravamento da crise financeira nos EUA e agora iminente recessão; o relativo avanço no Iraque (que pode, segundo alguns analistas, ser relacionada com menor grau de interferência iraniana); a alta na cotação do barril do petróleo; tensões nas relações russo-americanas; e a crise política no Paquistão. Se uma intervenção (multilateral ou não) no Paquistão deve ser considerada, ainda que como último recurso, os EUA devem conquistar um mínimo de tranqüilidade em relação ao Irã. As eleições presidenciais também deveriam ser contabilizadas, mas não da mesma forma que os exemplos acima, uma vez que não apresentam um incentivo claro e direto relativo à questão iraniana. Todos os elementos acima mencionados tornam extremamente difícil para os EUA continuarem a pressão sobre o Irã. Por este motivo apenas, o NIE, ao minimizar o alarmismo e o senso urgência presentes no discurso de diplomatas e comentadores, pode ser considerado favorável ao governo Bush.

Texas lizard

Por outro lado, à medida que o relatório pode ser interpretado como prova de que os EUA têm desperdiçado tempo e energia, é ele próprio um desperdício de papel. As negociações bilaterais estão empacadas há um bom tempo. A atenção só tem favorecido o presidente Ahmadinejad, que soa tão confiante e provocativo quanto sempre. Enquanto isso, a capacidade iraniana de processar urânio continua a crescer e as poucas sanções aplicadas ao país têm efeito irrisório sobre a economia nacional. O Irã não é uma ilha: suas relações com países centro e leste-asiáticos se desenvolvem normalmente. A China, por exemplo, já depende do Irã para 10% de suas importações de petróleo bruto, e, recentemente, assinou com este um acordo multibilionário de participação na exploração do campo petrolífero de Yadavaran. Que os EUA têm desperdiçado muito tempo e energia é óbvio e ululante, com NIE ou sem.

E aqui jaz o pulo do gato: Enquanto afirma que, contra todas as expectativas anteriores, de 2003 a, pelo menos, meados de 2007, o programa nuclear bélico iraniano esteve suspenso, o NIE afirma também – e essa é a parte para a qual devemos atentar – que o Irã “possui a capacidade cientifica, técnica e industrial para, no futuro, produzir armas nucleares se assim decidir”, mas “pode ser mais vulnerável a influência sobre o assunto do que previamente avaliado”. O relatório segue a afirmar que “alguma combinação de ameaças de pressão e escrutínio internacionais intensificados, somadas a oportunidades para que o Irã conquiste segurança, prestigio e objetivos de influencia regional de outras formas, podem – se forem percebidas pelas lideranças iranianas como críveis – fazer com que Teerã prorrogue a suspensão do programa nuclear bélico.” Assim, longe de desvalorizar os esforços americanos contra o Irã, o relatório os toma como causa da suspensão do programa Iraniano, e clama por mais do mesmo.

Estados que abriram mão de seus programas nucleares não são desconhecidos: África do Sul, Líbia e Brasil são apenas alguns exemplos. E certamente há alguma verdade na proposição de que a pressão internacional teve parte em postergar a bomba iraniana. O principal problema com a linha de raciocínio acima, no entanto, é que ela parece ignorar solenemente os efeitos colaterais de uma pressão internacional mal administrada. Antes tivessem sido inúteis, no cômputo geral a pressão e as ameaças ao Irã foram contraproducentes, alimentando o apelo de Ahmadinejad, dando razão a sua busca por resseguro contra intervenção estrangeira (leia-se americana), e o aproximando de outras “vítimas do abuso imperialista”, como Hugo Chavez.

O NIE não deve ser lido, portanto, como um atentado à política externa americana para o Irã, mas como uma tentativa de redenção desta a partir de uma curiosa inversão da História. Não mais um regime terrorista embriagado com petróleo e decidido a espalhar a revolução e o ódio (e tecnologia nuclear) e eliminar do mapa Israel e seu patrono americano, Teerã agora supostamente seria um ator racional “guiado por uma abordagem de custo-benefício”. Sob esta ótica, tudo que os EUA devem fazer é continuar com o excelente trabalho. Boa notícia, não?

Este texto é uma tradução do ensaio entitulado "Can they spin it", ser publicado na Drill Press em março de 2008. Tradução por autor.

© Daniel Nedal 2008

Texas lizard